Concurso Interconcelhio de Leitura


concurso interconcelhiaDecorreu no passado sábado, dia 10 de junho, em Santa Comba Dão, a final do Concurso Interconcelhio de Leitura. Inspirado no Concurso Nacional de Leitura o evento tem vindo a ser promovido anualmente pelas Redes de Bibliotecas de Carregal do Sal, Mortágua, Santa Comba Dão, Tábua e Tondela desde 2015.

Tendo como objetivo estimular a prática da leitura entre os alunos dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico, o concurso pretende avaliar a leitura de obras literárias pelos estudantes desses graus de ensino. Tondela fez-se representar por dois alunos do 1º CEB (Escalão 1) Ana Rita Veiga Nascimento e João Lourosa e duas alunas do 2º CEB (Escalão 2), Lara Gama Teles e Laura Matos (efetivas), uma de cada agrupamento de escolas. A apoiar os alunos tivemos as colegas Inês Sousa e Adélia Jesus (suplentes), familiares, amigos e professores.

O concurso abarcou duas provas de leitura expressiva (um texto escolhido pelos concorrentes e outro sorteado) e uma prova de resposta rápida "Mesa de Lâmpadas" em que os concorrentes tinham de responder a um conjunto de perguntas sobre as obras previamente recomendadas para cada ciclo.

Foi notável o empenho e a garra demonstrada pelos nossos concorrentes, apesar de nem sempre a sorte ter estado do seu lado. Estão de parabéns pela participação e consideramo-los desde logo vencedores por serem tão bons leitores.

Hora do Conto: “A joaninha resmungona”

DSC00293A Joaninha Resmungona” de Eric Carle foi o livro apresentado na Hora do Conto realizada na Biblioteca Municipal Tomaz Ribeiro, no passado dia 8 de junho.

O livro conta a história de uma joaninha conflituosa que desafia e provoca vários animais a lutarem com ela, sem se importar com o seu tamanho, até que dá de caras com um lhe faz frente. Depois de assistirem à dramatização do conto, as crianças foram alertadas para alguns pormenores relacionados com a história que tinham acabado de ouvir, a importância de nos darmos bem uns com os outros, a medição do tempo, as caraterísticas dos animais, etc.

No final, todas as crianças pintaram um desenho em grupo. Participaram na Hora do Conto um total de 63 crianças dos infantários de Mosteiro de Fráguas, Tonda, Vilar de Besteiros e EB0 de Tondela, distribuídas em duas sessões.

DSC00363 DSC00350 DSC00343 DSC00295

Entrega de prémios dos Jogos Florais do Concelho de Tondela e Prémio Jovem Revelação 2017

DSC00218No último sábado, dia 3 de junho, o Município de Tondela procedeu à entrega dos prémios dos XIII Jogos Florais do Concelho de Tondela e XI Prémio Jovem Revelação, concursos de poesia organizados pela Biblioteca Municipal Tomaz Ribeiro desde 2005 e 2006, respetivamente.

A cerimónia iniciou-se pouco depois das 15 horas na Biblioteca Municipal de Tondela e contou com a presença do senhor presidente do município, dr. José António de Jesus e dos vereadores eng.ª Carla Antunes, dr. Miguel Rodrigues, Pedro Adão e José Carlos Coimbra, da Chefe de Divisão da Educação e Intervenção Social, drª Raquel Seabra, da diretora do Agrupamento de Escolas Cândido de Figueiredo, drª Helena Gonçalves e do diretor Agrupamento de Escolas Tomaz Ribeiro, dr. Júlio Valente, de representantes da comunicação social, participantes dos mais novos aos mais velhos, enchendo a sala numa colorida moldura humana.

DSC00209

Os elementos do júri presentes principiaram por tecer algumas considerações relativamente aos concursos e aos trabalhos apresentados. Filipa Duarte leu o seu comentário em verso felicitando todos os concorrentes e os professores por realçarem o poder das palavras e por mostrarem como elas podem tocar o coração de uma forma mais bela: em poesia e dedicou um poema original da sua autoria a todos os concorrentes. O dr. António Nunes felicitou a iniciativa na medida em que "a realização de um evento de poesia nos dias de hoje é, para além de um exercicio de criação de beleza no campo das letras, uma reação contra a natureza do tempo". Também drª Ana Freitas, que não pôde comparecer referiu no seu comentário a importância destes concursos por incentivarem o gosto pela escrita e pela poesia desde os primeiros anos de vida, promovendo a Língua Portuguesa, até porque "contatar com a poesia é uma das melhores maneiras de expôr os nossos sentimentos e emoções, muitas vezes tão difíceis de explicar."

DSC00202Seguidamente deu-se início à leitura dos trabalhos premiados no concurso Prémio Jovem Revelação, aberto à participação dos alunos das escolas do ensino básico, secundário e profissional do concelho. Dos 66 trabalhos a concurso o júri selecionou quatro, um por cada ciclo de ensino, atribuindo ao poema "O que é a liberdade" de Duarte Borges Pacheco o prémio do primeiro ciclo; o prémio do segundo ciclo coube ao poema "Fundo do mar" de  Beatriz Marques de Almeida, o poema "Miragem" de  David Costa e Silva foi distinguido com o prémio terceiro ciclo e o prémio do ensino secundário coubea Maria Isabel da Silva Machado pelo poema "Ser Feliz". Todos os alunos que concorreram ao Prémio Jovem Revelação receberam uma medalha e um certificado de participação e os autores dos trabalhos premiados receberam um cheque-prenda.

Seguiu-se a leitura dos trabalhos premiados nos Jogos Florais, após um breve apontamento musical com o  poema cantado "Dedicatória" de Fernando Miguel Bernardes por Rosario Soutinho (voz) e António Nunes (guitarra e voz).

DSC00197Aos Jogos Florais apresentaram-se 28 candidatos de várias zonas do País, que apresentaram  a concurso, no total, 61 trabalhos. O júri distinguiu três trabalhos e atribuiu três menções honrosas em cada uma das três modalidades do concurso.

Os trabalhos poéticos premiados desta XIII edição dos Jogos Florais foram, na modalidade de Quadra/Quadras Populares: "Quadra popular" de António José Barradas Barroso (primeiro prémio), "Tondela" de Ernesto Lopes Nunes (segundo prémio), "Quadra Popular"de Renato Manuel Bravo Valadeiro (terceiro prémio) e "Quadras (em modo popular) do egoísmo de... "  de Paulo Pereira Viegas (menção honrosa);

Na modalidade de Poema Livre foram os seguintes os trabalhos distinguidos: "O poder da Palavra" de Ernesto Lopes Nunes (primeiro prémio), "Marca d´Água – poema para os meus filhos" de Ernesto António da Silva Maciel (segundo prémio), "Mulher" de Maria de Lourdes de Faria Correia Teles (terceiro prémio) , "Tondela..., e o artista... " de António dos Santos Boavida Pinheiro (menção honrosa);

DSC00217Na modalidade de Soneto foram os seguintes os prémios atribuidos: "Unção da Palavra" de Ernesto da Silva Maciel (primeiro prémio), "O poeta libertado... " de Augusto Molarinho de Andrade (segundo prémio), "A vida" de Maria Filomena Fonseca (terceiro prémio) , "Adormecer em teus braços" de Renato Manuel Bravo Valadeiro (menção honrosa)

Rosário Soutinho e António Nunes acompanhados à flauta por Estela Oliveira cantaram o soneto de Luís de Camões, adaptado por José Mario Branco " Mudam-se os tempos....", convidando  todos os presentes a acompanharem-nos no refrão.

Finda a entrega dos prémios aos concorrentes e aos elementos do juri, o senhor presidente do município no uso da palavra salientou a importância ealização do evento, felicitando o concorrentes pela dedicação e empenho e salientou a importância de cultivarem a exigência e o sentido crítico. Seguiu-se a foto de família com todos os concorrentes e o lanche no hall da biblioteca

Oficina de Escrita – Exercício 1: Colagem

oficina escrita2De 14 a 30 de junho, estará patente no hall da Biblioteca Municipal de Tondela a exposição "Oficina de Escrita – Exercício 1: Colagem". A mostra compõe-se de exercícios produzidos nas oficinas de escrita criativa dinamizadas nas Escolas Básicas do Caramulo,  Lajeosa do Dão, Secundária de Molelos, Secundária de Tondela e Escola Profissional de Tondela, por Luís Chaves, numa parceria com a Biblioteca Municipal Tomaz Ribeiro, no decurso da Festa do Livro de Tondela.

Parafraseando Luís Chaves, tal como "o Cubismo, movimento artístico do início do século XX, inscreveu na História da Arte a utilização da colagem". 

oficina escrita5

Também nestes exercícios "as palavras, de origens distintas, recortadas em jornais, revistas, publicidade e livros em desuso, foram sendo colocadas, por tentativa, lado a lado até que irrompessem as frases."

"Exercício de criatividade, de interpretação e de expressão escrita, propôs a livre associação de palavras (de ideias), sem perder a inteligibilidade ou o propósito de comunicar, encetando um “jogo” com o leitor, em que participa a subjetividade de cada uma das partes envolvidas; um encontro a meio do caminho: de um lado, alguém comunica, do outro, alguém depreende. "

O resultado final da proposta, tal como pode constatar-se na exposição, é muitas vezes surpreendente e desafiante a nível da interpretação.

Livro do mês: O labirinto dos espíritos de Carlos Ruiz Zafon

Labirinto dos espiritosSinopse:
Na Barcelona de fins dos anos de 1950, Daniel Sempere já não é aquele menino que descobriu um livro que havia de lhe mudar a vida entre os corredores do Cemitério dos Livros Esquecidos. O mistério da morte da mãe, Isabella, abriu-lhe um abismo na alma, do qual a mulher Bea e o fiel amigo Fermín tentam salvá-lo.

Quando Daniel acredita que está a um passo de resolver o enigma, uma conjura muito mais profunda e obscura do que jamais poderia imaginar planta a sua rede das entranhas do Regime. É quando aparece Alicia Gris, uma alma nascida das sombras da guerra, para os conduzir ao coração das trevas e revelar a história secreta da família… embora a um preço terrível.

O Labirinto dos Espíritos é uma história eletrizante de paixões, intrigas e aventuras. Através das suas páginas chegaremos ao grande final da saga iniciada com A Sombra do Vento, que alcança aqui toda a sua intensidade, desenhando uma grande homenagem ao mundo dos livros, à arte de narrar histórias e ao vínculo mágico entre a literatura e a vida.

Este livro integra um ciclo de romances que poderão ser lidos por qualquer ordem ou separadamente, permitindo ao leitor explorar e aceder ao labirinto de histórias através de diferentes portas e caminhos que, quando interligados, o irão conduzir ao coração da narrativa.

Pág. 5 de 96

Autor do Mês

Alice Vieira

ALICE VIEIRA

Alice Vieira (Alice de Jesus Vieira Vassalo Pereira da Fonseca) nasceu em Lisboa a 20 de março de 1943. Frequentou o Liceu D. Filipa de Lencastre. Licenciou-se em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Escritora e jornalista profissional desde 1969, colaborou desde os treze anos no jornal "Diário de Lisboa" (onde juntamente com o seu marido Mário Castrim dirigiu o suplemento "Juvenil" e "Catraio"), no "Diário Popular" e no "Diário de Notícias". Colaborou em várias revistas e programas de televisão para crianças.

É considerada uma das mais importantes escritoras portuguesas de literatura infanto-juvenil,   tendo publicado cerca de  quatro dezenas de livros infantis e vendido perto de um milhão de exemplares.  As suas obras estão traduzidas em várias línguas, como o alemão, o búlgaro, o espanhol, o galego, o catalão, o francês, o húngaro, o holandês, o russo, o italiano, o chinês, o servo-croata e o coreano. É também autora de contos, romances, crónicas e poesia para adultos.

Consulte mais informação AQUI.