Biblioteca Municipal de Tondela entrega livros em casa gratuitamente

P4170012-4A Biblioteca Municipal de Tondela criou um serviço de entrega gratuita ao domicílio de Livros e DVDs para todo o concelho, em virtude da conjuntura atual que se atravessa devido à COVID-19.

P4170005 ftEste serviço permitirá aos munícipes receber o seu livro ou DVD preferido no conforto da sua casa, sendo a entrega feita pelos técnicos do Município de Tondela com todos os cuidados de higienização.

O leitor poderá ficar com o livro/DVD durante um período de 30 dias, devendo, posteriormente, proceder à sua entrega pela mesma via (o técnico recolhe no domicílio) ou diretamente na Biblioteca Municipal de Tondela caso esta, entretanto, reabra.

Para requisitar online, bastará ir ao portal da Rede de Bibliotecas de Tondela (http://rbt.cm-tondela.pt) e aceder ao CATÁLOGO online, onde poderá escolher as obras e fazer a sua requisição.

Em alternativa, também poderá contactar os serviços da Biblioteca Municipal de Tondela pelo e-mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou pelo telefone 232 811 128.

Som dos Livros - Se eu Fosse Muito Forte

daniela fernandes"Se eu fosse muito forte", da autoria de António Mota, é o conto que esta semana nos é apresentado no programa "O Som dos Livros". A produção do programa coube à Daniela Fernandes, professora de Expressão Dramática atualmente a dar aulas no Agrupamento de Escolas de Tondela Tomaz Ribeiro.

Se eu fosse muito forte convida o leitor a entrar num mundo de fantasia, onde as situações hilariantes apresentadas potenciam o estímulo para a sua própria imaginação. Do ponto de vista literário, o autor apresenta-nos um texto poético onde cada frase parte de uma hipótese, levando-a até aos limites da realidade, levando o pequeno leitor a concluir que a imaginação é tão ilimitada como o sonho...Se eu fosse muito forte...Podia nadar horas e horas no alto mar e ajudar a salvar as baleias bebés feridas pelos homens.

O autor dispensa apresentações, mas dos seus livros vale sempre a pena falar. Já estão no mercado mais dois volumes da Colecção "Se Eu Fosse", de António Mota, dois pequenos livros que promovem, a brincar, ideias sérias como a aceitação das diferenças e o respeito pela individualidade de cada um.

Se Eu Fosse Muito Forte e Se Eu Fosse Muito Pequenino têm a genialidade das coisas simples. São livros plenos de sensibilidade, com ideias divertidas e simultaneamente profundas sobre a tolerância e a convivência entre as pessoas.

As ilustrações de Rui Castro, audazes e cheias de ternura, ajudam à compreensão da mensagem - cada um de nós é um ser único e a diferença deve ser celebrada. Para crianças que um dia serão adultos excepcionais.

Escute a história desta semana AQUI»

Escute outras histórias AQUI»

Se tu visses o que eu vi - Som dos Livros em casa

caramulo pqnO "Som dos Livros" não para e esta semana voltou a ser feito por dois alunos, resguardados em quarentena, no aconchego do seu lar. A Daniela, de 11 anos é aluna da Escola Básica do Caramulo e preparou esta narrativa com o seu irmão Fábio.

A leitura por eles escolhida baseou-se na obra do autor António Mota "Se tu visses o que eu vi", um livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 2º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.

502xAntónio Mota nasceu no concelho de Baião, em 1957. Em 1979 publicou o seu primeiro livro, intitulado "A Aldeia das Flores", e não mais parou de escrever. É um dos autores mais lidos e premiados da literatura infantojuvenil portuguesa, tendo cerca de noventa títulos publicados, e a sua vasta obra foi, em grande parte, selecionada pelo Plano Nacional de Leitura.

Recebeu vários prémios, dos quais se destacam o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (1983), o Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens (1990), o Prémio António Botto (1996) e o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, categoria «Livro Ilustrado» (2004). Em 2008, foi agraciado pela Presidência da República com a Ordem da Instrução Pública.

Em 2014, foi nomeado para o prémio ALMA por ser «um dos mais prolíficos escritores portugueses para a infância e juventude» e por a sua obra ter «a singular qualidade de ser ao mesmo tempo intemporal e universal». A nomeação repetiu-se na edição de 2015 deste que é um dos mais importantes prémios internacionais na área da literatura infantojuvenil. "No Meio do Nada" é o seu primeiro livro para adultos, publicado quando se comemoram os 40 anos de uma carreira literária a semear histórias que alimentaram a imaginação de milhares de leitores.

O Som dos Livros desta semana foi para o ar no dia 1 de abril, pelas 9h20, na Rádio Emissora das Beiras (www.emissoradasbeiras.pt e em 91.2 FM), estação onde a emissão voltará a passar no sábado 4 de abril, pelas 12h30, no programa Giroflé.

Este mesmo episódio poderá ser escutado na Rádio Miúdos (www.radiomiudos.pt) sexta (3 de abril) e domingo (4 de abril) pelas 10h e pelas 19h. Assim, não faltarão oportunidades para ouvires o episódio que também já está disponível neste portal AQUI»

Podes, ainda, escutar todos os programas mais antigos AQUI»

 

Corona Virus - O Som dos Livros

20200323 190547 pqnAs irmãs Inês Carvalho (de 8 anos) e Rita Carvalho (11 anos) interromperam o seu ano letivo, como tantos outros meninos, para ficarem em casa de quarentena. Frequentam o 2º e 6º ano respetivamente da Escola Básica de Tondela.

O pai, Orlando Carvalho, também está em casa, em teletrabalho. Moram em Sabugosa (Tondela) e desde o dia 16 de março têm partilhado o mesmo espaço 24 horas sobre 24 horas.

Esta quarta-feira, 25 de março, dedicaram um pouco do seu tempo a preparar e gravar "O Som dos Livros", nomeadamente depois de descobrirem um livro que nos fala da problemática trazida pelo Corona Virus. Trata-se de uma publicação digital com rigor ciêntífico, suportado nas diretivas do Serviço Nacional de Saúde.

O Livro "Corona, O Virus" foi escrito por Maria Jesus Sousa e ilustrado por Maria Guerreiro e está disponível para download clicando na imagem seguinte:

covid

A história explica aos mais pequenos o moitvo de estarmos todos em casa, bem como a importância dos cuidados básicos que estão a ser pedidos como por exemplo a desinfeção constante das mãos. Um oportunidade para introduzir a temática em casa, junto dos mais novos.

Pode ouvir o programa desta semana AQUI»

Pode ouvir outros programas AQUI»

O Universo explicado aos Meus Netos no Som dos Livros

IMG 2549 pqn"O Unverso Explicado aos Meus Netos" da autoria de Hubert Reeves é a obra escolhida para ser apresentada n'O Som dos Livros desta semana. A Carolina, a Soraia e o Henrique foram os autores da rubrica que semanalmente nos traz a proposta de um novo livro.

Hubert Reeves, astrofísico, é autor de numerosas obras apreciadas por um vasto número de leitores. Publicou na Gradiva diversos livros, entre os quais "Um Pouco Mais de Azul", "A Hora do Deslumbramento", "Malicorne", "Aves Maravilhosas Aves", "A Agonia da Terra", "Crónicas dos Átomos e das Galáxias", "Já Não Terei Tempo", "Últimas Notícias do Cosmos", "Poeira das Estrelas" e "O Universo Explicado aos Meus Netos", alguns dos quais foram bestsellers.

É precisamente sobre este último que estes três alunos a frequentarem o 9ºA da Escola Secundária de Molelos (Agrupamento de Escolas de Tondel Cândido Figueiredo) nos decidiram apresentar hoje.

Sinopse:

Dedico este livro aos meus netos. Quando comecei a escrevê-lo, tomei consciência do valor simbólico que lhe podia atribuir: um testamento espiritual. Que queria eu legar-lhes sobre este grande universo que continuarão a habitar depois de mim? Imaginei então estas conversas com uma das minhas netas, em que observamos, instalados em espreguiçadeiras, o céu estrelado. Revivi assim os serões de Agosto com os meus filhos, em que eles me bombardeavam de perguntas enquanto esperávamos as chuvas de estrelas cadentes.
A contemplação da abóbada celeste e a sensação da nossa presença entre os astros provocam um desejo partilhado de saber mais sobre este cosmos misterioso que habitamos. É uma questão de ciência, o que não exclui a poesia.

Pág. 3 de 135